Os sistemas de engate Isofix e Latch
 

Isofix é um novo padrão de fixação na instalação de dispositivos de retenção de crianças (cadeirinhas), o qual está sendo adotado por fabricantes de veículos em vários países, especialmente na Europa Ocidental e Ásia, sendo que o seu uso está progressivamente aumentando também em outros países e continentes.

No caso de sua aplicação para o mercado brasileiro, as normas que regem os critérios para testes de homologação desse sistema estão em fase conclusiva de elaboração, as quais se baseiam nos critérios da norma ECE européia.

Possivelmente no futuro, os veículos produzidos no Brasil terão de ser fabricados com esse equipamento, a exemplo da Argentina, que já fixou datas para essa exigência, primeiramente para veículos novos (2016) e depois para todos os veículos (2018).

Quanto ao padrão de fixação denominado Latch, que usa terminais de ancoragem análogos ao do sistema Isofix, trata-se de um sistema adotado principalmente nos Estados Unidos, onde a fixação superior e inferior dos dispositivos de retenção de crianças é feita através de tirantes ou cintas ligadas a terminais de encaixe. A sigla "latch" vem do inglês "Lower Anchors and Tether for CHildren".

Tanto a fixação pelo sistema Isofix como através do sistema Latch podem ser complementadas com o dispositivo anti-rotação denominado Top Tether, o qual consiste em uma ancoragem adicional na parte superior da cadeirinha (veja detalhes na página que trata de meios adicionais de fixação).

 

Na ilustração ao lado, vemos representados 2 tipos de fixação de DRCs que utilizam terminais de ancoragem existentes no veículo (tipo A e B) e o terceiro que usa os cintos do veículo (tipo C):

A - fixação através de engates rígidos Isofix + cinta superior Top Tether ancorados nos respectivos terminais do veículo (neste caso o Top Tether pode ser dispensado se o DRC possuir uma perna de apoio, para cumprir a função de anti-rotação no caso de um impacto frontal do veículo)

B - fixação através de cintas flexíveis e engates do tipo Latch + cinta superior Top Tether ancorados nos respectivos terminais do veículo

C - fixação através dos cintos do veículo.

Nesses 3 exemplos, a cadeirinha possui cintos próprios de 5 pontos para a retenção da criança,

 

 

O principal benefício do sistema Isofix é que ele proporciona um vínculo estrutural bem seguro e rápido entre a cadeirinha de criança e a carroçaria do veículo.

Esse vínculo é feito através do encaixe de garras existentes nas extremidades dos braços rígidos da base do assento, cujos engates possuem o formato padrão Isofix. Essas garras são fixadas em terminais de engate soldados na carroçaria do veículo.

Na imagem ao lado estão representados os principais elementos que compoem o sistema de fixação denominado Isofix.

O sistema consiste de duas garras retráteis localizadas na parte inferior da "cadeirinha", as quais encaixam nas alças de engate, sendo direcionadas por guias plásticas fixadas na região do vão entre o encosto e o assento do banco traseiro.

 


A Euro Ncap, que tem padrões e critérios próprios para avaliação de requisitos de segurança, credita pontos através de classificação por estrelas para os veículos nos quais a fixação por engates para uso do sistema ISOFIX seja um item de série. De forma análoga, o Latin NCAP trouxe esses citérios também para os veículos do mercado latino-americano.

 

 

Na ilustração ao lado temos um exemplo de cadeirinha com possibilidade de ser utilizada tanto através do sistema Isofix, como através dos cintos de segurança do veículo, cujos componentes estão relacionados a seguir:

1. Botão de travamento lateral do cadarço, quando é utilizado o cinto do veículo

2 Guia de passagem lateral do cadarço, quando é utilizado o cinto do veículo

3 e 5. Cintos de segurança da própria cadeirinha

4. Dispositivo de regulagem de altura dos cintos da cadeirinha

6. Dispositivo de ajuste logitudinal dos engates do sistema Isofix

7. Lingueta de travamento do engate do sistema Isofix

8. Guias para localização dos terminais Isofix do veículo

9. Engates rígidos do sistema Isofix

 


Nas figuras abaixo, vemos mais exemplos que detalham o sistema Isofix, especialmente na região de encaixe do engate metálico ao respectivo terminal de ancoragem do veículo.

 




Um cuidado que deve ser tomado pelos proprietários de assentos com esse tipo de engate é que as duas garras estejam devidamente presas e para isso deve ser feita uma verificação de "arrancamento" todas as vezes que for instalado.

Um assento com o sistema de garras Isofix também pode ser fixado em um veículo sem essa preparação, sendo que nesse caso deverá ficar fixado tal como um assento convencional do tipo "universal".

Isso permite que alguém que possua mais de um veículo, dos quais apenas um esteja preparado para o encaixe Isofix, possa usar uma mesma "cadeirinha" com engate Isofix para outras condições de fixação.

O sistema Isofix também diminui o risco de má instalação (desde que feita a verificação de arrancamento nos 2 encaixes, como já citado) e permite a montagem mais rápida que um outro tipo de "cadeirinha" convencional (universal), no qual se utiliza o próprio cinto de segurança do veículo.

O sistema Isofix requer testes específicos, tanto para o engate na cadeirinha, como para o terminal de encaixe na estrutura da carroçaria. As exigências requeridas para homologação desse sistema estão especificadas na norma internacional ISO 13216-1, a qual serviu de base para a elaboração da CMVSS 201 (Canadense), FMVSS 225 (USA), ADR 34/01 (Australiana) e ECE R44/03 (européia).

 

 

 


No desenvolvimento das ancoragens para a fixação dos engates Isofix, os fabricantes de veículos com esse tipo de acessório são obrigados a efetuarem testes de resistência conforme requisitos estabelecidos nas normas mencionadas acima e também na norma européia ECE R44, a qual foi tomada como base para elaboração da norma brasileira NBR 14400.

Nas fotos acima, temos exemplos de ensaios de resistência da ancoragem Isofix, onde é avaliado também o deslocamento longitudinal máximo de um ponto "X" específico nos dispositivos SFAD2, que simulam um sistema de retenção de crianças. Há também um exemplo de ensaio de resistência de ancoragem Isofix combinado com Top Tether, onde neste caso estão sendo utilizados dispositivos SFAD1 e SFAD2.
 

Para facilitar a localização e o encaixe das garras de retenção pelo sistema Isofix, alguns veículos possuem guias plásticas e indicações de localização no banco, sendo que em geral nos veículos dotados desse sistema, existem 4 terminais de encaixes, sendo 2 para cada assento de crianças.

As indicações dos locais de encaixe das garras de retenção normalmente são através de botões indicativos de localização no revestimento do encosto do banco ou através de etiquetas costuradas com o texto "ISOFIX".

 


No Brasil já existem vários modelos de veículos que já saem de série com a fixação do tipo Isofix, especialmente os importados e aqueles cujo desenvolvimento foi feito na Europa ou Estados Unidos, embora a legislação específica para esse tipo de sistema ainda não esteja vigorando no Brasil.

Quanto ao seu uso futuro, os dispositivos de retenção de crianças com o sistema Isofix terão um custo significativamente 
mais alto em relação ao dos assentos da categoria "universal", o que deverá inibir o consumidor no momento da compra. Esse fato ocorre atualmente em países onde esse sistema existe há vários anos, onde é sabido que o maior percentual de cadeirinhas vendidas é na condição convencional, ou seja, sem o sistema Isofix.
 

 

Na foto ao lado, é possível visualizar os engates Isofix, que são soldados  à estrutura da carroçaria, seja diretamente em componentes das caixas de rodas ou no assoalho, ou ainda em estruturas tubulares, como no caso ao lado.

Para dar acabamento e facilitar a visualização para o engate, o modelo ao lado possui uma cobertura para fechamento no vão entre o encosto e o assento do banco traseiro. 

Na foto abaixo, pode ser visto o engate da cadeirinha na iminência de encaixar na fixação Isofix, passando pela guia plástica no vão entre o encosto e o assento do banco.

 


Na foto ao lado, vemos um sistema DRC destinado a crianças do Grupo 0+, composto por uma concha tipo "bebê-conforto" com alça para transporte, acoplável em base de apoio. A base de apoio possui garras rígidas Isofix e perna anti-rotação de ajuste telescópico, o que garante um melhor desempenho e estabilidade do conjunto.

Na foto abaixo à esquerda, é possível visualizar os engates rígidos Isofix, que
normalmente são retráteis e permitem que o encosto da cadeirinha fique devidamente apoiado no encosto do banco do veículo. Os botões vermelhos neste modelo servem para destravar as garras de engate da cadeirinha e devem ser apertados simultaneamente na remoção do DRC. Abaixo à direita temos a ilustração de terminais rígidos de ancoragem Isofix em combinação com uma ancoragem superior do tipo Top Tether.

 

 

Na foto ao lado, temos uma cadeirinha para criança do Grupo 1, com base e possibilidade de fixação com garras Isofix ou através do cinto do veículo, a qual possui tambem uma perna ajustável anti-rotação.

Nas fotos abaixo, vemos uma cadeirinha do Grupo 0+ e a sua respectiva base, a qual possui garras rígidas tipo Isofix e perna de apoio anti-rotação. Neste caso incomum, a base permite que a cadeirinha seja montada tanto na posição Reward (criança voltada para trás) como na posição Forward (criança voltada para a frente). Do outro lado, uma cadeirinha tambem com a função "convertible", ou seja, com possibilidade de montagem na posição RW ou FW.

 

 



 

O sistema de fixação tipo Latch
 

Os requisitos para esse conceito de fixação estão especificados nas normas americanas FMVSS 225 e FMVSS 213, bem como nas normas canadenses CMVSS correspondentes e também de outros países que seguem o modelo norte-americano.

As cadeirinhas com o princípio de fixação "Latch" precisam obrigatoriamente ser fornecidas com os tirantes flexíveis e respectivos engates, os quais serão fixados nos terminais de ancoragem do veículo, semelhante engate do tipo Isofix, como representados nas figuras ao lado.

Os veículos saem de fábrica com os terminais de engate que tanto servem para o sistema Isofix como o Latch, pois dimensionalmente os terminais de engate se equivalem, assim como também as respectivas áreas admissíveis para localização no Projeto.

O mesmo, porém, não se aplica aos requisitos onde as normas divergem ligeiramente nos parâmetros de tempo e valor de carga aplica durante os testes estáticos de resistência.

 

Tanto a norma americana como a canadense acima mencionadas, exigem pontos de ancoragem superiores e inferiores para os dispositivos de retenção de crianças usados naqueles países.

Na ilustração a seguir pode-se ver mais detalhes das fixações no conceito "latch" tanto na ancoragem
inferior (lower anchorage), como na ancoragem superior (top tether anchorage), mediante tirantes flexíveis conectadas aos respectivos terminais de ancoragem do veículo. Neste caso, os cintos originais do veículo são dispensados para efeito de retenção da cadeirinha e a retenção da criança é feita através dos cintos da própria cadeirinha.

 


Na foto ao lado, é possível visualizar os cintos de fixação da criança na cadeirinha (parte central), bem como as cintas de fixação da cadeirinha nos pontos de ancoragem do veículo, que via de regra são os mesmos pontos de ancoragem dos engates rígidos Isofix. Tanto as cintas inferiores (lower attachments) como a superior (top tether) necessitam ser ajustadas no comprimento, para que a cadeirinha fique devidamente assentada no banco do veículo, sem folgas.


Na foto abaixo, uma cinta tipo "top tether" fixando a parte superior da cadeirinha do Grupo 0+ (posição Reward - voltada para trás), o que é uma montagem incomum, visto que nesse tipo de cadeirinha normalmente se usa uma perna de apoio na base para fazer a função anti-rotação no caso de um impacto frontal do veículo.

 

Na foto ao lado, vemos uma cadeirinha com cintas de engate tipo "latch", as quais já são fornecidas junto com o DRC com essas características de fixação.

Nas fotos abaixo, vemos um engate tipo "latch" composto por uma garra rígida e uma cinta flexível com dispositivo de ajuste do comprimento, que é utilizada tanto para as fixações inferiores como na fixação superior.

 


Na ilustração abaixo vemos os pontos de ancoragem existentes no veículo, necessários para fixação de uma cadeirinha pelo sistema Latch. As indicações dos locais onde os pontos de ancoragem estão localizados devem ser indicadas no veículo, seja através de etiquetas costuradas ou botões aplicados sobre o revestimento do encosto do banco traseiro do veículo, em pares, correspondentes aos 2 terminais de ancoragem que servem tanto para a fixação Isofix, como na Latch. De forma semelhante as indicações de localização dos pontos de ancoragem do Top Tether devem estar localizadas de forma visível para o condutor poder fazer a fixação do tirante superior da cadeirinha (quando houver).

 

 



marcações oficiais das fixações inferiores "latch" (acima) e superior "top tether" (abaixo)




volta ao MENU na página principal