Tipos de assentos para crianças


Os assentos para crianças podem ser do tipo "universal" quando não são destinados a um determinado modelo de veículo ou um sistema específico de fixação (como por exemplo, o sistema com engates do tipo Isofix). A grande maioria dos dispositivos de retenção de crianças disponíveis no Brasil são do tipo "universal".

Na fixação dos assentos do tipo "universal" são utilizados os cintos de segurança do veículo, sendo que dependendo do modelo de assento utilizado, são usados adicionalmente os cintos do próprio assento.
 

 

.

 


Quando uma "cadeirinha" não possui cintos próprios, deverão ser utilizados os cintos do veículo para a sua retenção juntamente com a criança.

Nesse caso, os locais de passagem dos cintos do veículo deverão ficar bem claros e definidos, como nas figuras ao lado, onde a faixa abdominal do cinto passa nos dois locais em vermelho do assento, enquanto que a passagem da faixa diagonal (toráxica) do cinto deverá passar no local em vermelho na parte superior do encosto.

A passagem do cinto do veículo pelos locais corretos e indicados no Manual da cadeirinha é extremamente importante para a segurança do sistema.
 

 

Diferentemente da fixação dos cintos em adultos, a "cadeirinha" deverá propiciar uma condição tal que, em caso de solicitação num acidente, o esforço do cinto não fique totalmente concentrado no corpo da criança, mas sim distribuído entre as áreas de contacto e apoio da cadeirinha.

 
 

O modelo de cadeirinha mostrado abaixo é bem inovador, pois possui um sistema de regulagem de altura do encosto, que permite seu ajuste de acordo com o crescimento da criança, sendo a sua altura marcada através de um visor indicativo.

Além disso, ela possui abas laterais para apoio da cabeça e dos braços da criança.

Neste caso, trata-se de um Booster com encosto, pois não possui cintos próprios e neste caso a criança é retida através do cinto de segurança do veículo, o qual passa pelas guias vermelhas da parte superior do encosto.

 

Outros detalhes interessantes nesse modelo de cadeirinha são a possibilidade de rebatimento do encosto, para facilitar o transporte (foto abaixo à esquerda) e a elegante guia de passagem móvel do cinto de segurança, na região próxima ao ombro da criança (foto abaixo à direita).
 
 

 
 

Este outro modelo de cadeirinha dos Grupos 1 e 2 mostrado na foto ao lado possui um mecanismo de regulagem da "concha" graduável, que permite inclinar a cadeirinha a fim de possibilitar mais opções de conforto para a criança durante o trajeto.

Nesta foto lateral também é possível visualizar as aberturas de passagem das faixas diagonal e sub-abdominal do cinto do veículo, que neste caso fazem a retenção da cadeirinha. Como já foi dito anteriormente, este é o modelo "clássico" de fixação dos dispositivos de retenção, também chamado "universal".

Como na fixação do tipo "universal" de cadeirinhas de criança são utilizados os cintos do veículo, é importante que eles estejam bem preservados, por exemplo, evitando-se que os seus fechos fiquem esmagados sob o assento do banco traseiro, após o banco ter sido basculado.


Para crianças com idade até 1 ano (aproximadamente 13 kg), existem assentos em forma côncava como de uma "concha", os quais são também chamados "bebê-conforto" do grupo 0+. No caso das crianças com menos de 9 meses, elas deverão ter condições de sentar para poderem usar esse tipo de assento. Alguns modelos desse tipo de "cadeirinha" possuem também uma base, onde a "concha" é fixada mediante engates destraváveis por teclas ou botões. No caso das ilustrações abaixo, podemos ver como é feita a fixação da base através do cinto de 3 pontos do veículo.

 

A seguir, vemos a concha fixada na base e a passagem correta do cinto lateral traseiro de 3 pontos, e por último, a remoção da concha através da alça, após destravamento da concha em relação à sua base.

 

 

Cada modelo de cadeirinha tem a sua peculiaridade em termos de fixação e acessórios adicionais. Por esse motivo, é necessário consultar o Manual que acompanha o produto, para verificar as condições adequadas para uso e as instruções de montagem.

No exemplo ao lado, temos um outro modelo de dispositivo de retenção do grupo 0+, onde há uma base fixada por meio de engates do tipo "Isofix" e cintas de retenção da parte superior, também chamada de fixação tipo "Top Tether".

Observe nas ilustrações ao lado que nesse tipo de fixação, as cintas passam pela parte superior do encosto do banco traseiro e são engatadas em terminais tipo "latch" existentes na carroçaria do veículo, ou atrás do encosto do banco traseiro.

Quando o veículo não possui os terminais necessários para o engate, fica inviabilizada a retenção através desse tipo de fixação.

Porisso é necessário verificar se o veículo possui esses terminais, antes de comprar um modelo de cadeirinha com esse tipo de fixação. Para saber mais detalhes sobre a fixação tipo "Isofix" ou "latch", veja o tópico específico sobre esse assunto a partir do Menu na página principal deste site.

 

 


Também no caso das cadeirinhas dos Grupos 1 e 2, há modelos que permitem a sua adaptação na base, como pode ser visualizado na ilustração ao lado, o que pode ser útil em alguns casos.

Nessa ilustração, podemos ver o local de encaixe da base na cadeirinha e uma tecla de destravamento desse tipo de retenção.

Na ilustração abaixo, vemos o detalhe da base, que neste caso possui garras de retenção do tipo "Isofix".

 
 


 

 

Na foto ao lado, podem ser vistos dois tipos de "cadeirinhas" no banco traseiro de um veículo, sendo que no lado esquerdo do banco está uma do tipo "bebê-conforto" do grupo 0+, voltada para a parte de trás do veículo. No lado direito do banco traseiro está uma "cadeirinha" voltada para a frente do veículo.

Os assentos do grupo 0+ devem ser instalados no sentido contrário ao da marcha do veículo, e como todos os demais assentos de crianças,  devem ser usados sempre no banco traseiro, , o que evita que a cabeça seja submetida à impactos lesivos em caso de colisão do veículo. Por causa de sua possibilidade de ser montada no sentido contrário da marcha do veículo, esse tipo de "cadeirinha" também é chamada "conversível".

Apenas no caso das "picapes", como não há possibilidade de usar o banco traseiro, a legislação permite excepcionalmente a instalação do assento de criança no banco dianteiro direito, sendo que nesse caso deve-se obrigatoriamente providenciar o desligamento do airbag direito (caso houver).

 


Embora a legislação brasileira permita em casos especiais, o lugar dianteiro direito deve ser sempre a última opção para ser ocupado por uma criança e, caso tenha de ser usado (por exemplo, quando houverem várias crianças no banco traseiro), deve-se colocar no banco dianteiro a criança de maior estatura, com o cinto do veículo ou equipamento equivalente e com o banco o mais recuado possível para trás.

 

Para crianças de 1 a 4 anos, com peso entre 13 a 22 kg, há certas "cadeirinhas" que possuem uma "mesinha" na altura da região abdominal da criança, por onde passam as faixas diagonal e sub-abdominal do cinto do veículo, como pode ser visto nas figuras ao lado.

Nesse caso, a "mesinha", além de fazer parte do sistema de retenção da "cadeirinha",
também propicia uma condição de apoio e descanso para os braços da criança. 

No entanto, esse tipo de cadeirinha pode causar um maior desconforto na criança devido à maior restrição ao movimento dos seus braços e pernas.

 

 

 

 


De acordo com a legislação brasileira atual,
que é a Resolução 277 do CONTRAN (vide página correspondente à Legislação), as crianças a partir de 7,5 anos devem usar os cintos para adultos, embora o façam via de regra nos lugares traseiros do veículo.

Para crianças entre 4 e 7,5 anos, a legislação indica o uso do assento elevatório (também chamado “Booster”), com a utilização do cinto do próprio veículo. Elas são adequadas para uso quando a cadeirinha ficar pequena para a criança e ela ainda não tem altura suficiente para usar o cinto do veículo. Normalmente isso ocorre entre os 4 e 7,5 anos.

Para estes casos, deve-se atentar para a condição de montagem da parte diagonal do cinto, a fim de que não passe muito próximo ao pescoço, considerando-se que as crianças tem geralmente altura inferior a 1,5 m.

Na ilustração abaixo aparecem exemplos dos 3 tipos de dispositivos de retenção de crianças especificados na atual legislação brasileira.

 

 
 

 
 

 
A - assentos tipo "bebê-conforto", em forma de "concha", para uso no sentido contrário ao da marcha do veículo, para crianças de até 1 ano com peso de até 13 kg.

B
- assentos tipo "cadeirinha", para uso no sentido de marcha do veículo, para crianças entre 1 e 4 anos com peso entre 13 e 22 kg

C
- assentos elevatórios, também chamados "Booster", para uso com os cintos do próprio veículo, deixando a criança numa estatura mais apropriada para o uso dos cintos de adultos. Prescrito para crianças de 4 a 7,5 anos, com peso entre 22 e 36 kg.

 

 


Para o caso dos assentos com fixação especial (tipos Isofix, Top Tether ou Latch), vide página específica a partir do Menu da página principal.

Observação: Só alguns veículos nacionais oferecem a possibilidade de instalação desse tipo de assentos com fixação especial. Para isso, é necessário consultar o Manual do Proprietário (Livreto de Bordo), para verificar se o veículo tem essa possibilidade.

 

 


volta ao MENU na página principal